Vinhos

21:52 Edit This 11 Comments »

Fiquei alguns dias sem atualizar, muito mais do que deveria. Tudo porque o meu trabalho está uma loucura. Domingo viajo p/ Floripa e volto só na terça. Detalhe: viagem a trabalho. Espero encontrar novidades.

Hoje vou falar sobre um assunto que eu adoro: VINHOS.

Com este friozinho não tem nada melhor do que curtir uma taça do meu tinto favorito, navegando na web ou atracada a um bom livro.

Para quem não entende muito, cada tipo de vinho é produzido com uma uva específica, que transmite aroma, sabor e coloração à bebida.

Segundo estudiosos, há 24.000 nomes para as mais de 3.000 variedades de uvas viníferas. Destas 150 são plantadas comercialmente em quantidades mais significativas. A lista abaixo descreve as cepas mais conhecidas que produzem os vinhos encontrados no Brasil.

Principais tipos de Uva ( Em minha humilde opinião)

ALVARINHO (ou Albariño, na Espanha) – responsável pela produção na região do Minho, em Portugal, do vinho verde, que tem este nome pois deve ser tomado ainda jovem, isto é "verde". É uma uva que confere boa acidez, aroma e certa efervescência ao vinho.
Países: Portugal (vinho verde), Espanha

Chardonnay
Uva branca fácil de cultivar e vinificar. Está espalhada em todo o mundo. É usada na produção de clássicos de alta qualidade e reputação na Borgonha, como Chablis, Montrachet e Poully-Fussé, além de ser um importante ingrediente do campanhe. Por não ser uma uva aromática, a passagem pelo barril de carvalho lhe confere maior complexidade em algumas regiões, principalmente do Novo Mundo, onde mostra um toque amanteigado e tostado.
Países: França (Borgonha), Estados Unidos (Califórnia), Austrália, Nova Zelândia, Chile, África do Sul, Argentina, Brasil

MUSCAT (Moscato e Moscatel) – plantada no mundo todo é própria de vinhos doces perfumados. É a única uva vinífera que preserva os aromas de uva no vinho e talvez uma das espécies mais antigas ainda cultivadas. Usada para vinhos secos na Alsásia e para espumantes do tipo Asti Espumante e Moscato Bianco.
Países: França (Alasácia), Portugal, Espanha e Itália

PROSECCO – encontrada na região de Vêneto, na Itália, é responsável pela produção de espumantes frescos, frutados, com pouco acidez e paladar. Não se trata, portanto, de uma região, como muita gente pensa, mas de uma uva, usada por este espumante que se difundiu por todo o mundo.
Países: Itália, Brasil

Sauvignon Blanc
Tem acidez aguda, fresco, aspectos minerais e bastante frutados no Novo Mundo. Mantém a limpidez pois raramente fica impregnada de carvalho. Na França, alcança melhores resultados em rótulos da região do Loire. É misturada com Sémillon em Bordeaux. Também é parte da composição dos vinhos doces de Sauternes e Barsac. Na Nova Zelândia, encontrou o solo ideal para produção de vinhos que colocaram o país no mapa do mundo do vinho.
Países: França (Loire, Bordeaux), Nova Zelândia, Chile, Áustria e África do Sul.

CABERNET FRANC – terceira uva tinta mais importante de Bordeaux (Pommerol e Saint Emilion), é mais leve e com menos taninos que a cabernet sauvignon e amadurece mais cedo. É muito usada no corte com outras uvas. Na região do Loire dá vinhos mais herbáceos, onde é conhecida como Breton. É a uva principal do insensado e caro Château Cheval Blanc.
Países: França (Bordeuax, Loire), Argentina, Austrália, Estados Unidos (Califórnia) e Nova Zelândia

Cabernet Sauvignon
A mais clássica e conhecida das variedades de vitis vinífera, base do corte usado nos grandes vinhos de Bordeaux (Latour, Mouton-Rothshild, Lafite, Latour, Margoux etc). É uva mais difundida em todo o mundo e responsável pelos melhores rótulos do planeta. Tem amadurecimento tardio e produz tintos secos de semi-incorpados a incorpados; tânico quando jovem, garante um melhor envelhecimento da bebida na garrafa e a passagem pelo barril de carvalho pode aparar suas arestas. Tem um amplo espectro de aromas: frutas vermelhas, café, chocolate geléia e tabaco, quando envelhecidos. No Chile tem uma característica mais mentolada. Enriquece quando misturada à merlot, cabernet franc, shiraz, petit verdot ou malbec. Na Austrália geralmente é mesclado ao shiraz. Produz os melhores tintos do Brasil e do Chile.
Países: França (Bordeaux), Estados Unidos (Califórnia), Chile, Argentina, Austrália, África do Sul, Itália e Brasil.

MALBEC – originária de Bordeaux, onde é muito tânica,t e usada somente misturada a outras cepas, esta uva se tornou emblemática na Argentina, onde é responsável pelos melhores vinhos tintos produzidos no país, de cor escura, denso e aromas florais. Começa a render alguns rótulos no Chile também.
Países: França, Argentina e Chile

Merlot
Similar à cabernet sauvignon, entretanto mais suave, tem sabor mais macio, menos tanino e aromas mais frutados. Tem uma maturação mais fácil e rápida que sua parceira cabernet. Pode desenvolver aromas de chocolate e frutas vermelhas maduras quando colhidas com a maturação correta. Base de grandes vinhos do Pomerol, como o famoso Château Petrus. Na Califórnia, nos Estados Unidos, também rendeu grandes exemplares. Também muito usado no Novo Mundo e plantada em várias partes do planeta onde se faz vinho.
Países: França (Bordeaux), Norte da Itália, Estados Unidos, Chile, Austrália, Nova Zelândia, Argentina, Brasil.

Pinot Noir (pinot nero)
Uva típica da Borgonha, produz os vinhos mais admirados pelos enólogos e enófilos do mundo. Sua qualidade está ligada diretamente ao terroir onde está plantada. É uma uva de difícil de cultivar e vinificar e pode gerar tanto tintos inexpressivos como muito complexos. São vinhos de coloração clara para média com relativo baixo tanino e acidez. Os grandes pinot noirs têm aroma intenso, complexo e sensual, e evoluem muito bem na garrafa. Os exemplos mais clássicos são os renomados (e caros) vinhos de Romanée-Conti, Volnay, Clos de Vougeat e outros tantos da Borgonha. Menos feliz em outras regiões do mundo, tem apresentado algum sucesso no Chile com preços bem mais acessíveis. A pinot noir também faz parte da receita que compõem os vinhos da Champagne.
Países: França (Borgonha, Champagne), Chile, Itália, África do Sul.

TANNAT (mandiran) – uva do sudoeste da França, hoje é a variedade emblemática do Uruguai, altamente tânica e com perfume de amora e framboesa. Bons produtores têm domado o tannat no Uruguai e bons rótulos têm surgido no mercado
Países: Uurguai e França.

Syrah/Shiraz
Uva do Rhone, na França, que resulta vinhos de coloração intensa, bem encorpados e aromáticos e na boca evocam frutas vermelhas (amoras). Na Austrália, com o nome de Shiraz, dá exemplares tânicos, apimentado e de boa maturação. É responsável pelos grandes rótulos deste país
Países: França (Rhône), Austrália, África do Sul e Argentina

Fonte: Veja SP

Próximo post: Harmonização dos vinhos com alimentos

11 comentários:

Ana disse...

Oi Sabrina

Adorei sua visita e vim te conhecer... Adorei seu blog e vejo que és blogueira recente. Seja muito bem vinda a blogosfera.Um delicioso lugar par fazer amigas.
Virei sua seguidora!

bjus
ana maria
jeito de casa

Ana Pretti disse...

Oi Sabrina,
Vim agradecer sua visita e dizer que será sempre bem vinda!!!

Adorei seu cantinho também, fiquei qse uma expert em vinhos hehe

Abraços!!!!

Simone Azevedo disse...

Olá Sabrina fiquei muito feliz com sua visitinha no meu cantinho e fico feliz em saber que gostou do meu trabalho, ja virei siguidora do seu blog. Te espero sempre lá voce será sempre bem vinda.

Bjkas
Simone Azevedo

BarbieGirl disse...

Obrigada pela visita!!!

Vim retribuir e quando chego aqui me deparo com um post sobre vinhos... adoooro!! :)

Também gostei de saber que você é de Niterói, eu tb sou!!

Estou te seguindo, assim vamos nos conhecendo melhor e estreitando laços de amizade!!

bjks

Ruby Fernandes disse...

Sabrina querida! Muito obrigada pelo seu votinho, adorei. Bjokas flor.

Chel Vieira disse...

Adorei o post, não entendo nada de vinho mais adoro os meus preferidos são:Chardonnay,PROSECCO e Sauvignon Blanc

bjs

Calma que eu Tô pensando disse...

Oi Sabrina como vai? que bom que gostou do bloguinho, eu tbm adorei o seu. Vinho é sempre bom né, eu tenho preferência pelo brancos, ainda não conheço o famoso proseco, mas pretendo experimentar logo, ficarei acompanhando seu cantinho tbm, beijos beijos

Lourdes Fiedler disse...

Olá Sabrina,
Seja bem vinda!

Aprecio vinho branco, sabe quando? no preparo da janta, para ler; tenho sono, navegando na internet; fico mole rsrss...

Alem da música, você gosta de Sex and City? amo de paixão essa série, quanto mais assisto mais me divirto.
Um luxo o seu blog!

Obrigada pela visita.
Beijos.

Isabela Kastrup disse...

Hum, adorei aprender um pouquinho sobre vinhos. Aprecio, mas confesso que não entendo muito.
Super beijop e um lindo fim de semana!
Isa

Paradis disse...

Eu nem gosto muito de vinho, por isso admito que tive preguiça de ler o texto, hahoahoia! x)


=******************

Ví por aí... disse...

Ei Sabrina...
Passando para retribuir a visitinha...
Adorei o comentário!!!!
obrigada!!!
Fico feliz que tenha gostado do blog!!!
Muito bom te encontrar também!!!
Já sou seguidora!!!
Concordo com vc...Vinho é tuuuuuuudo (apesar de beber mais de quando em vez que de vez em quando)rs........
Dicas excelentes!!!!!
Bjkas da amiga Jô