Harmonização com vinhos

18:30 Edit This 46 Comments »

Conforme prometido, hoje vamos falar sobre a harmonizaão de vinhos com pratos da culinária.

1. PEIXES E FRUTOS DO MAR

* Grelhados ou em molho leve ou crus (sushi):
Espumante brut ou demi-sec ou Vinho branco seco frutado jovem ou levemente maduro
* Em molho forte:
Branco maduro de boa estrutura ou Rosé seco de qualidade ou
Tinto jovem de médio corpo
* Bacalhau:
Tinto jovem ou de médio corpo ou Branco maduro;
* Anchova, atum, salmão e sardinha:
Tinto jovem ou de médio corpo ou Branco maduro ou Rosado


2. CARNES BRANCAS

* Grelhadas ou em molho leve:
Espumante brut ou Branco seco jovem de boa estrutura ou maduro ou Tinto jovem ou de médio corpo
* Grelhadas em molho forte:
Tinto maduro de médio corpo a robusto
* Caças de penas, pato e coq au vin:
Tinto maduro de médio corpo a robusto
* Peru:
Tinto leve ou médio ou branco seco
* Foie gras
Branco doce de alto nível (Sauternes, Tokay, etc.) ou fortificado doce (Porto Vintage, etc.) ou espumante de qualidade (Champagne Milesimé, etc.)

3. CARNES VERMELHAS

* Grelhadas ou em molho leve:
Espumante brut ou tinto jovem leve ou de médio corpo
* Em molho forte:
Tinto maduro de médio corpo a robusto
* Caças de pêlo:
Tinto maduro robusto

4. MASSAS

* Em molho leve ou branco
Espumante brut ou branco jovem ou maduro ou tinto jovem leve ou de médio corpo
* Em molho condimentado ou vermelho
Espumante brut ou tinto maduro de médio corpo a robusto

5. QUEIJOS

* Fresco de massa mole (Frescal, Ricota, Requeijão)
Branco ou tinto jovem e leve
* Fresco de massa filada (Mozzarela)
Branco ou tinto jovem e leve
* Maturado de massa mole (Brie, Camambert e Coulommiers)
Branco maduro ou tinto jovem a maduro encorpado
* Maturado de massa filada (Provolone)
Branco maduro ou tinto jovem ou pouco envelhecido
* Maturado de massa semidura (Emmental, Gouda, Reino, Prato, Saint-Paulin, Tilsit, Port-Salut)
Tinto maduro de bom corpo
* Maturado de massa cozida (Roquefort, Gorgonzola, Stilton, Danablue)
Tinto maduro robusto ou branco doce superior ou fortificado doce
* Maturado de massa semidura (Emmental, Gouda, Reino, Prato, Saint-Paulin, Tilsit, Port-Salut)
Tinto jovem ou pouco velho
* Maduro de massa dura (Parmesão, Pecorino)
Tinto maduro robusto ou fortificado
* Observação:
Os Espumantes de qualidade, em especial os Champagnes, combinam com todos os tipos de queijo

. NA SOBREMESA

* Vinho Branco Doce de Qualidade
Sauternes, Alsace (Vendange Tardive e Séletion de Grains Nobles), Tokay e os alemães com os predicados ("mit Predikat"): Auslese, Beerenauslese, Trockenbeerenauslese e Eiswein
* Vinho Fortificado Demi-sec ou doce
Porto (Ruby, Tawny, LBV, Vintage, etc.), Jerez (Amoroso, Oloroso ou Cream); Madeira (Verdelho, Boal ou Malmsey), Moscatel de Setúbal, Banyuls, Moscato d'Asti, Banyuls, Marsala, Málaga (Lagrima Christi), etc.
* Espumante Demi-sec ou doce
Asti (italiano), Cava (espanhol), Champagne Doux (francês), Sekt Suß (alemão), Blanquete de Limoux (francês) e outros espumantes

FONTE: Academia do Vinho
------------------------------------------------------------------------------------

Com este friozinho, está cada vez mais comum associarmos um bom vinho a um jantar de massas, queijos, sopas entre outros. E poder associar aquele que mais combina com o seu prato já potencializa o prazer sensorial da coisa.

Demorei atualizar porque estava em Floripa trabalhando. Irei correndo responder os comentários. Muito Obrigada a todos pela visita.

Bom final de semana, com muito fondue, queijos, vinho...rsrsrs.

Vinhos

21:52 Edit This 11 Comments »

Fiquei alguns dias sem atualizar, muito mais do que deveria. Tudo porque o meu trabalho está uma loucura. Domingo viajo p/ Floripa e volto só na terça. Detalhe: viagem a trabalho. Espero encontrar novidades.

Hoje vou falar sobre um assunto que eu adoro: VINHOS.

Com este friozinho não tem nada melhor do que curtir uma taça do meu tinto favorito, navegando na web ou atracada a um bom livro.

Para quem não entende muito, cada tipo de vinho é produzido com uma uva específica, que transmite aroma, sabor e coloração à bebida.

Segundo estudiosos, há 24.000 nomes para as mais de 3.000 variedades de uvas viníferas. Destas 150 são plantadas comercialmente em quantidades mais significativas. A lista abaixo descreve as cepas mais conhecidas que produzem os vinhos encontrados no Brasil.

Principais tipos de Uva ( Em minha humilde opinião)

ALVARINHO (ou Albariño, na Espanha) – responsável pela produção na região do Minho, em Portugal, do vinho verde, que tem este nome pois deve ser tomado ainda jovem, isto é "verde". É uma uva que confere boa acidez, aroma e certa efervescência ao vinho.
Países: Portugal (vinho verde), Espanha

Chardonnay
Uva branca fácil de cultivar e vinificar. Está espalhada em todo o mundo. É usada na produção de clássicos de alta qualidade e reputação na Borgonha, como Chablis, Montrachet e Poully-Fussé, além de ser um importante ingrediente do campanhe. Por não ser uma uva aromática, a passagem pelo barril de carvalho lhe confere maior complexidade em algumas regiões, principalmente do Novo Mundo, onde mostra um toque amanteigado e tostado.
Países: França (Borgonha), Estados Unidos (Califórnia), Austrália, Nova Zelândia, Chile, África do Sul, Argentina, Brasil

MUSCAT (Moscato e Moscatel) – plantada no mundo todo é própria de vinhos doces perfumados. É a única uva vinífera que preserva os aromas de uva no vinho e talvez uma das espécies mais antigas ainda cultivadas. Usada para vinhos secos na Alsásia e para espumantes do tipo Asti Espumante e Moscato Bianco.
Países: França (Alasácia), Portugal, Espanha e Itália

PROSECCO – encontrada na região de Vêneto, na Itália, é responsável pela produção de espumantes frescos, frutados, com pouco acidez e paladar. Não se trata, portanto, de uma região, como muita gente pensa, mas de uma uva, usada por este espumante que se difundiu por todo o mundo.
Países: Itália, Brasil

Sauvignon Blanc
Tem acidez aguda, fresco, aspectos minerais e bastante frutados no Novo Mundo. Mantém a limpidez pois raramente fica impregnada de carvalho. Na França, alcança melhores resultados em rótulos da região do Loire. É misturada com Sémillon em Bordeaux. Também é parte da composição dos vinhos doces de Sauternes e Barsac. Na Nova Zelândia, encontrou o solo ideal para produção de vinhos que colocaram o país no mapa do mundo do vinho.
Países: França (Loire, Bordeaux), Nova Zelândia, Chile, Áustria e África do Sul.

CABERNET FRANC – terceira uva tinta mais importante de Bordeaux (Pommerol e Saint Emilion), é mais leve e com menos taninos que a cabernet sauvignon e amadurece mais cedo. É muito usada no corte com outras uvas. Na região do Loire dá vinhos mais herbáceos, onde é conhecida como Breton. É a uva principal do insensado e caro Château Cheval Blanc.
Países: França (Bordeuax, Loire), Argentina, Austrália, Estados Unidos (Califórnia) e Nova Zelândia

Cabernet Sauvignon
A mais clássica e conhecida das variedades de vitis vinífera, base do corte usado nos grandes vinhos de Bordeaux (Latour, Mouton-Rothshild, Lafite, Latour, Margoux etc). É uva mais difundida em todo o mundo e responsável pelos melhores rótulos do planeta. Tem amadurecimento tardio e produz tintos secos de semi-incorpados a incorpados; tânico quando jovem, garante um melhor envelhecimento da bebida na garrafa e a passagem pelo barril de carvalho pode aparar suas arestas. Tem um amplo espectro de aromas: frutas vermelhas, café, chocolate geléia e tabaco, quando envelhecidos. No Chile tem uma característica mais mentolada. Enriquece quando misturada à merlot, cabernet franc, shiraz, petit verdot ou malbec. Na Austrália geralmente é mesclado ao shiraz. Produz os melhores tintos do Brasil e do Chile.
Países: França (Bordeaux), Estados Unidos (Califórnia), Chile, Argentina, Austrália, África do Sul, Itália e Brasil.

MALBEC – originária de Bordeaux, onde é muito tânica,t e usada somente misturada a outras cepas, esta uva se tornou emblemática na Argentina, onde é responsável pelos melhores vinhos tintos produzidos no país, de cor escura, denso e aromas florais. Começa a render alguns rótulos no Chile também.
Países: França, Argentina e Chile

Merlot
Similar à cabernet sauvignon, entretanto mais suave, tem sabor mais macio, menos tanino e aromas mais frutados. Tem uma maturação mais fácil e rápida que sua parceira cabernet. Pode desenvolver aromas de chocolate e frutas vermelhas maduras quando colhidas com a maturação correta. Base de grandes vinhos do Pomerol, como o famoso Château Petrus. Na Califórnia, nos Estados Unidos, também rendeu grandes exemplares. Também muito usado no Novo Mundo e plantada em várias partes do planeta onde se faz vinho.
Países: França (Bordeaux), Norte da Itália, Estados Unidos, Chile, Austrália, Nova Zelândia, Argentina, Brasil.

Pinot Noir (pinot nero)
Uva típica da Borgonha, produz os vinhos mais admirados pelos enólogos e enófilos do mundo. Sua qualidade está ligada diretamente ao terroir onde está plantada. É uma uva de difícil de cultivar e vinificar e pode gerar tanto tintos inexpressivos como muito complexos. São vinhos de coloração clara para média com relativo baixo tanino e acidez. Os grandes pinot noirs têm aroma intenso, complexo e sensual, e evoluem muito bem na garrafa. Os exemplos mais clássicos são os renomados (e caros) vinhos de Romanée-Conti, Volnay, Clos de Vougeat e outros tantos da Borgonha. Menos feliz em outras regiões do mundo, tem apresentado algum sucesso no Chile com preços bem mais acessíveis. A pinot noir também faz parte da receita que compõem os vinhos da Champagne.
Países: França (Borgonha, Champagne), Chile, Itália, África do Sul.

TANNAT (mandiran) – uva do sudoeste da França, hoje é a variedade emblemática do Uruguai, altamente tânica e com perfume de amora e framboesa. Bons produtores têm domado o tannat no Uruguai e bons rótulos têm surgido no mercado
Países: Uurguai e França.

Syrah/Shiraz
Uva do Rhone, na França, que resulta vinhos de coloração intensa, bem encorpados e aromáticos e na boca evocam frutas vermelhas (amoras). Na Austrália, com o nome de Shiraz, dá exemplares tânicos, apimentado e de boa maturação. É responsável pelos grandes rótulos deste país
Países: França (Rhône), Austrália, África do Sul e Argentina

Fonte: Veja SP

Próximo post: Harmonização dos vinhos com alimentos

Dia de organização

19:37 Edit This 3 Comments »

Hj foi um daqueles dias de tirar as coisas do lugar.
É difícil, ms em um lugar limitado como o meu armário no momento (sempre tive um armário de 6 portas só p/ mim, até me casar e ver q a minha enorme casa de dois andares não seria minha p/ sempre..rsrsr).

Uma coisa eu aprendi, nestes quase dois anos.

Sapatos - Machucaram, estão fora de moda, não uso = doação

Roupas - Não cabem (sem jeito de ajuste), não uso = doação

Estou exercitando o desapego pelas coisas materiais. Aquele papel de presente, aquela caixinha linda que vc guarda porque acha que um dia pode precisar para alguma coisa = LIXO.

Aquela bolsinha de loja que está no fundo do quartinho de empregada esperando para quê? LIXO.

E cada vez que saio e compro mais coisas: o meu lindo sapato Oxford, algumas roupinhas winter, lenços e tudo o mais, vou intituindo a mais nova regra: comprei uma, automaticamente tenho que arrumar uma peça ou sapato para doar.
Mais uma vez o dilema do espaço. Vou pesquisando formas de organizar minhas coisas com pouco ou quase nenhum.

Tenho uma amiga q fez algo q estou pensando - Organizar os sapatos em caixas com as fotos deles do lado de fora. Ou com visor transparente, para localizar melhor.

Conforme as dicas forem aparecendo, posto aqui.

Queridos, como foram de dia dos namorados? E de feriado? Ótima semana p/ todos!

Foto: Solução para prateleiras em banheiros minúsculos.

Inspiração do dia

00:20 Edit This 3 Comments »

Este quarto lindo de viver, com esta penteadeira fofa.
Romântico, do jeito q um dia eu imagino o meu.
Qdo arrumar um quarto maior, lógico....

Coleção Bourjois Vintage

14:22 Edit This 6 Comments »


Há alguns meses foi lançada a coleção Bourjois Vintage.
Só não postei nada aqui antes porque queria testar os produtinhos
antes. Para começar, me apaixonei pelas embalagens, lindinhas, com
carinha de cosmético antigo e as mesmas caixinhas de sombras e blush
Bourjois que faz um sucesso danado com a mulherada.

A edição limitada tem cinco sombras best selling e três blushes. As ‘caixinhas redondas’ que fazem parte da história da Bourjois desde 1863, ganham desenhos exclusivos da marca, do século XIX e do início do século XX.





Comprei uma sombra (marrom glacê, super básica, vai com tudo) e o blush Rose Frisson.
A textura é maravilhosa, o cheirinho delicioso e o produto parece durar muito - Já usei várias vezes e estão como compradas ontem. E olha que eu uso com vontade.
Os meus produtos foram adquiridos no site Akbox Cosméticos, que além de vender Bourjois por precinhos justos (cada caixinha custa R$56) vende outras marcas como Revlon e as maquiagens que levam o nome do maquiador Duda Molinos - lindas e muito em conta!

Moda Cupcake

23:34 Edit This 6 Comments »
O nome gringo já é um charme a parte. Os Cupcakes, bolinhos confeitados que mais parecem obras de arte, apareceram no seriado Sex and City (sim, eles são os preferidos de Carrie, Samantha, Charlotte e Miranda) e ganharam o mundo.

Cupcake é fashion, calórico e delicioso!




E estão por todos os lugares da blogsfera. Seja em formato de bolos (para comer mesmo, sem medo de ser feliz) ou sob a forma de objetos, sobretudo os colares com pingentes no formato deles, brincos e outras cositas mas.

Os Cupcakes também viraram mania nos casamentos. Dizem por aí que trata-se dos novos bem casados. Para casais beeeem chiques. Afinal, enquanto o bem casado tradicional custa em média R$2 a unidade, o cupcake pode sair a R$4 cada.

Aqui no RJ, já dá p/ encontrá-los dando sopa nos cardápios de restaurantes da Zona Sul. E são tão lindos que chega dar pena de saboreá-los.





Cupcakes no Sex and City


A designer de jóias Paula Velloso criou cordões e brincos lindos, com pingentes de Cupcakes. Os colares são banhados a ouro branco e amarelo. Entregas para todo o Brasil.

Art Noveau

21:41 Edit This 10 Comments »



Sempre adorei aqueles posters parisienses antigos. Tanto que, na última vez em que estive na Cidade Luz, fiquei louca com tantos deles à venda nas ruas e lojinhas de souvenirs. Até que hoje decidi pesquisar um pouco sobre eles e descobri que são verdadeiras obras de arte. O estilo? Art Noveau - Se você, assim como eu, só tinha ouvido falar, eis uma oportunidade de conhecer um pouquinho mais sobre uma forma de arte decorativa que anda ganhando espaço entre os fashionistas e pessoas estilosas em geral.

A Art Noveau teve início em 1890, mas consolidou-se a partir da Exposition Universelle de 1900( Exposição Universal de 1900), em Paris. Trouxe inúmeras contribuições para o mundo da moda.

Caracterizado por linhas graciosas, exageradas e espiraladas, traços alongados formando arabescos e entrelaçamentos de folhagens e flores e graças a isso ficou conhecido também como “estilo floral”. Sua expressividade pode ser notada principalmente na arquitetura do século XX, além da decoração de mobiliários e interiores, também exerceu um importante papel na criação de jóias, tecidos, objetos de vidro, cerâmica, bronze, ferro e prata.

O Art Nouveau foi o primeiro movimento orientado exclusivamente para o design. Por isso, seu estilo é marcado, algumas vezes, pela decoração elaborada e superficial e pelas formas curvilíneas ou sinuosas. O Art Nouveau é importante para o artista gráfico por causa do estilo que fixa a página impressa; por sua influência na criação de formatos de letras e de marcas comerciais; por sua criação e primeiro desenvolvimento dos modernos posters. O design gráfico foi também influenciado pela contribuição do Art Nouveau, relacionando as áreas da moda, de tecidos e mobílias, da mesma forma que o design de objetos populares, como vasos e lamparinas Tiffany, artigos de vidro Lalique e estampas Liberty.




Grandes nomes do movimento: Toulose-Lautrec, Alphonse Mucha e Gustav Klimt.

Projetos de Iluminação

13:30 Edit This 2 Comments »


Reportagem interessante, sobre iluminação de ambientes, do Jornal "O Globo".

RIO - A luz pode desenhar nos ambientes da casa os desejos e anseios de quem a habita. Mas para isso é preciso que haja um bom projeto de iluminação, que traga, além de um resultado estético, as respostas às expectativas sensoriais e emocionais do morador. De acordo com a arquiteta de iluminação Esther Stiller, para cada espaço há uma luz específica, que pode transmitir sensações de tranquilidade, dinamismo ou intimidade.

- Na casa, a iluminação é particularmente importante porque reforça a relação intima do ambiente com o morador. Ela tem que trazer essa sensação de bem estar, de repouso, de convívio social, de prática familiar, de proteção e de privacidade, seja na hora de um encontro social ou na hora de realizar um trabalho. O objetivo principal da iluminação é corresponder à expectativa dos sonhos e de bem estar do morador - diz Esther Stiller.

De acordo com a light designer e proprietária da La Lampe do Rio de Janeiro Chean Hsui, com a tendência atual das residências de multiuso, são necessárias luzes para atender às diversas funções que cada cômodo exerce sem tirar do morador a sensação de conforto.

- As casas de hoje são muito mais do que moradias. Elas atendem a muitas funções. E o projeto de iluminação deve estar afinado com essas necessidades. Há uma luz especifica para cada cômodo e cada função que ele exerce. Com a harmonia entre a dinâmica do espaço e a luz, o morador terá um ambiente muito mais aconchegante, explica Chean Hsui.

A preocupação com a sustentabilidade também é, para a gerente da loja Lumini São Paulo, Regina Heinrich, uma questão que deve ser levada em conta na hora da elaboração do projeto.

- A preocupação com o consumo, com o meio ambiente, sem perder conforto e exigências estéticas, são a tônica. Hoje, existe disponível no mercado uma infinidade de lâmpadas com características que atendem a essas expectativas. A tendência é o balanceamento entre essas opções, sempre através do uso de bons equipamentos, dentre eles estão os controladores, ou dimmers, os acessórios e as luminárias propriamente ditas, que garantam o resultado pretendido - diz Regina Heinrich.


Na hora de pensar a decoração é preciso estar atento as escolhas das luminárias para compor o ambiente. Os produtos com filamentos de lâmpada aparentes podem incomodar a visão do morador. No entanto, há muitos produtos que exibem a lâmpada como parte do próprio produto. Nesse caso o arquiteto de iluminação Marcos Castilha destaca algumas soluções.


- Lâmpadas aparentes não são necessáriamente contra-indicadas. tudo depende do tipo de lâmpada, direção de seu fluxo, potência, brilho e etc. Por exemplo, uma lâmpada AR-111 pode ser utilizada aparente pois tem um recurso de "anti-ofuscamento" que impede o escape de luz fora da direção desejada. Uma lâmpada incandescente tipo "globo", por exemplo, muitas vezes é utilizada aparente como forma de tirar partido do seu caráter iconográfico. Mas como o brilho do seu filamento é difundido por uma superfície leitosa de grande diâmetro, não resulta na maioria das vezes em desconforto visual para o usuário. Em iluminação, quase tudo é possível, desde que se saiba o que se está fazendo - diz Marcos Castilha.



Onde encontrar:

Luminárias e soluções em iluminação

Abitari

Estrada Francisco da Cruz Nunes, 4872 lojas 103 e 104. Itaipu / Niterói. Rio de Janeiro

Tel: (21) 2609-0655

Benedixt

R. Haddock Lobo, 1584, Jardins, São Paulo


Tel.: (11) 3081- 5606

Bertolucci

R. Espártaco, 367, Lapa, São Paulo

Tel.: (11) 3873-2879

Decameron Design

Rua Aspicuelta, 145 - Vila Madalena, São Paulo

Tel.: (11) 3097-9344

La Lampe

Rua Barão de Jaguaripe, 211 - Ipanema, Rio de Janeiro

Tel: (21) 3222-9300

Lumini

Av ayrton senna 2.150, primeiro piso, bloco f - loja A, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro

Tels: (21) 3325-4959 e (21) 3325-4959

Texto e Foto (Projeto de Loft com iluminação assinada pelo arquiteto Marcos Castilha: Jornal O Globo